Oceânica foi a grande responsável por etapas do projeto, construção e testes da P74

A P-74, primeiro sistema definitivo que irá produzir sob contrato da Cessão Onerosa, teve a extração do primeiro óleo nos últimos dias.

A unidade do tipo FPSO possui 326,2 metros de comprimento e 56,6 metros de largura e foi projetada para operar com capacidade para processar 150 mil barris de óleo por dia e 6 milhões de Mm3/d de gás.

Mantendo o longo histórico de projetos offshore, a OCeânica participou ativamente das atividades de engenharia nas grandes operações envolvidas até a chegada deste momento. Com grande destaque para análises estruturais, arquitetura naval, transporte dos módulos, controle de lastro, simulações real time, e operações especiais relacionadas ao teste de inclinação e à saída, planejados e conduzidos por sua equipe com extrema eficiência dentro das restritas janelas meteorológicas da região. O planejamento minucioso e condução precisa das operações gerou economias de tempo e capital durante a integração da unidade, que se destaca pelo tamanho e capacidade de produção e armazenamento.

“A correta condução dos trabalhos relacionados à arquitetura naval e estruturas é o que pode fazer a diferença entre se cumprir ou não com a expectativa de armazenamento de óleo de um FPSO. É muita responsabilidade e existe muito trabalho a ser feito. Temos orgulho de fazer parte da história offshore do Brasil e estamos prontos para suprir o crescimento do mercado com eficiência, equipe multidisciplinar, tradição e muito conhecimento técnico” afirmou Afonso Cabrera da Oceânica.

Além da performance da plataforma, a performance do estaleiro também é afetada com o desempenho dessas atividades. Procedimentos e equipamentos específicos projetados para cada operação podem maximizar a capacidade e velocidade de produção dos estaleiros.

A Oceânica, empresa Brasileira que investe em tecnologia e desenvolvimento de mão de obra capacitada localmente, possui extensa experiência em projetos de FPSO, desde a concepção do casco até operações durante a integração. Já foram mais de 25 projetos de FPSOs dentro e fora do Brasil, incluindo as plataformas Replicantes e da Cessão Onerosa da Petrobras.

Oceânica participa mais uma vez da OTC – Offshore Technology Conference

Acontecerá em Houston, USA, entre os dias 30 de abril e 3 maio a edição 2018 da feira OTC – Offshore Technology Conference. Experts da indústria offshore do mundo todo estarão presentes no evento.

A Oceânica estará presente mais uma vez no evento juntamente com a HBR, outra empresa da Holding Brasil. Serão apresentados os últimos projetos e também os divesos serviços de engenharia e gerenciamento de projetos navais e offshore, como hidrodinânica, arquitetura naval, sistemas de posicionamento, engenharia estrutural, entre outros.

A OTC é um dos mais famosos eventos do mercado de offshore, abrangendo as áreas de exploração, perfuração, produção e proteção do meio ambiente.

Ten successful years of cooperation

Celebrating a successful partnership that has spanned more than 10 years, OCEANICA and MARIN recently took time to commemorate their joint work for the development and aplication of the state of art techniques and technologies on naval and matitime projects.  Both parties acclaimed their ongoing partnership for its successes in more than 50 projects.

Over the course of a decade more than 40 different ports, terminals and routes have been studied trough a range of activities such as fast-time and real-time simulations, crew and pilots training, sea trials, scale model tests, and workshops. OCEANICA’s most successful initiatives have been adding value to the port facilities using a unbiased and technical approach.

Daniel Cueva, OCEANICA director said: “MARIN has been a true partner and we are incredibly grateful for its support. We look forward to continuing our mutually beneficial partnership, bringing the most advanced tools and great personell to our joint activities for many years to come.”

MARIN is pleased to look back at 10 successful years of cooperation with Oceânica. It has resulted into easy excess to MARIN expertise for the Brazilian maritime industry in the field of offshore hydrodynamics and waterway & port development. By means of our jointly operated bridge simulator in São Paulo we are able to help our clients make cleaner, safer and smarter ships, ports and waterways, comments Timo Verwoest.



Melhore o Desempenho e Reduza o Custo de suas Operações Portuárias

O sistema LPS utiliza uma interface moderna, baseada em tecnologias de Business Intelligence, para apresentar aos operadores portuários um retrato de sua operação ao longo do tempo, dando suporte à tomada de decisão e otimização dos diversos aspectos que compõem cada realidade portuária.

A interface permite a visualização simples e imediata de inúmeras informações derivadas dos dados armazenados, tais como estatísticas de duração das manobras, ocupação dos berços, volume de carga carregada ou descarregada por atracação, divergências em relação aos regulamentos vigentes no porto, e muito mais, conforme demanda do cliente.

Além da visualização interativa em tempo real o sistema possibilita também a geração automática de relatórios gerenciais periódicos customizados, os quais permitem acompanhar a evolução no tempo dos parâmetros monitorados, facilitando o controle e planejamento da operação.

Acesse o site http://www.oceanicabr.com/localportsystem/

XBUOY promove redução de custos e melhoria da segurança para navegação e operações portuárias

A Oceânica e a Tegris, especializada em monitoramento de ativos, ambas do Grupo HBR, apresentam ao mercado o XBUOY, uma solução inovadora de monitoramento remoto de equipamentos de sinalização náutica que dispensa a necessidade de vistorias presenciais, reduzindo custos em até 50% para autoridades portuárias, marítimas e operadores portuários que dependem da integridade de boias e faroletes para garantir a segurança da navegação.

Com a instalação do sistema, uma boia convencional é transformada em uma XBOUY. Por meio da implementação de uma central de telemetria, informações de posição, funcionamento da lâmpada e situação do sistema elétrico das unidades de sinalização ficam disponíveis em ambiente de nuvem e podem ser acessados por celular ou computador em qualquer hora e lugar.

Através de funções de detecção e alerta, o operador é prontamente avisado por email ou SMS caso ocorra um desgarre, pane elétrica ou até mesmo uma colisão causada por embarcação. Como o sistema permite uma visão em tempo real da condição dos equipamentos, é possível programar a manutenção preventiva e evitar as vistorias frequentes para avaliar o funcionamento dos ativos.

A instalação do sistema pode ser feita em qualquer boia de sinalização náutica, nova ou existente, e de forma rápida, em cerca de 60 minutos. “Trata-se de um sistema voltado para a redução de custo de operação e aumento da eficiência, o que se alinha com tempos de crise. E o modelo de contratação do serviço não contempla investimento inicial, ou seja, o cliente já começa a economizar nos custos de operação e manutenção.”, afirma Daniel Cueva, sócio diretor da Oceânica Engenharia.

Site: www.oceanicabr.com/xbuoy

Oceânica estuda viabilidade de novo terminal portuário no Maranhão

Entre os dias 31 de janeiro e 2 de fevereiro a Oceânica realizou, em seu Centro de Simulação NAUTILUS, simulações em tempo real de operações náuticas no futuro Terminal de São Luís, o qual será implantado na Baía de São Marcos, no Maranhão, pela WPR São Luís Gestão de Portos e Terminais.

As simulações estudaram a viabilidade das manobras necessárias à operação normal dos vários berços do terminal, verificando a adequação do arranjo proposto e dos espaços disponíveis para manobra aos navios que irão operar no novo porto, sempre levando em conta a influência das condições de marés e correntes bastante particulares da Baía de São Marcos. Também foi estudado o impacto do novo empreendimento sobre a operação dos terminais já existentes na região e sobre o tráfego aquaviário a eles destinado.

As simulações contaram com a presença da Marinha do Brasil, da Praticagem local e de várias interfaces envolvidas no projeto do novo terminal. Com isso, criou-se no Centro NAUTILUS um ambiente de trabalho bastante produtivo, no qual todos os participantes puderam colaborar com o desenvolvimento do estudo, auxiliando as equipes da Oceânica e da WPR a identificar uma solução que atenderá às demandas de todos os envolvidos.

O estudo foi bem sucedido, demonstrando a viabilidade do novo projeto. O arranjo do terminal se mostrou adequado aos navios pretendidos e as janelas de operação necessárias podem ser compatibilizadas com o tráfego aquaviário já existente no local, sempre obedecendo aos normativos estabelecidos pela Autoridade Marítima.

CURSOS E TREINAMENTOS

Já são mais de 50 cursos e treinamentos dentro e fora do Brasil, com centenas de profissionais atendidos nos mais variados temas dentro das disciplinas de hidrodinâmica, arquitetura naval, estruturas, subsea, amarração, náutica, entre outras.

A Oceânica possui em suas facilidades o Centro de Simulação e Treinamento NAUTILUS, equipado com um simulador de navegação e manobras tipo full mission e um simulador secundário para rebocadores e pequenas embarcações, nos quais é possível conduzir diversos tipos de treinamentos para profissionais marítimos. Além dos simuladores, o Centro NAUTILUS conta ainda com sala de aula dotada de equipamento audiovisual completo e com capacidade para até 35 alunos.

Mais informações e contato em nosso site http://oceanicabr.com/pt/cursos/#1455

Oceânica lança um inovador sistema de gestão remota de ativos Náuticos e Portuários

Sistema XBUOY promove redução de custos e melhoria da segurança para navegação e operações portuárias.

A Oceânica e a Tegris, especializada em monitoramento de ativos, ambas do Grupo HBR, apresentam ao mercado o XBUOY, uma solução inovadora de monitoramento remoto de equipamentos de sinalização náutica que dispensa a necessidade de vistorias presenciais, reduzindo custos em até 50% para autoridades portuárias, marítimas e operadores portuários que dependem da integridade de boias e faroletes para garantir a segurança da navegação.

Com a instalação do sistema, uma boia convencional é transformada em uma XBOUY. Por meio da implementação de uma central de telemetria, informações de posição, funcionamento da lâmpada e situação do sistema elétrico das unidades de sinalização ficam disponíveis em ambiente de nuvem e podem ser acessados por celular ou computador em qualquer hora e lugar.

Através de funções de detecção e alerta, o operador é prontamente avisado por email ou SMS caso ocorra um desgarre, pane elétrica ou até mesmo uma colisão causada por embarcação. Como o sistema permite uma visão em tempo real da condição dos equipamentos, é possível programar a manutenção preventiva e evitar as vistorias frequentes para avaliar o funcionamento dos ativos.

A instalação do sistema pode ser feita em qualquer boia de sinalização náutica, nova ou existente, e de forma rápida, em cerca de 60 minutos. “Trata-se de um sistema voltado para a redução de custo de operação e aumento da eficiência, o que se alinha com tempos de crise. E o modelo de contratação do serviço não contempla investimento inicial, ou seja, o cliente já começa a economizar nos custos de operação e manutenção.”, afirma Daniel Cueva, sócio diretor da Oceânica Engenharia.

Sobre a Oceânica

A Oceânica, Consultoria e Projetos Ltda. é uma empresa independente, especializada em engenharia naval e oceânica, desde a elaboração de cálculos tradicionais até serviços de alta tecnologia. É uma empresa brasileira com presença internacional e com clientes já consolidados em diversos países. A Oceânica faz parte do grupo HBR Holding Brasil, presente há 30 anos no mercado de equipamentos offshore e industriais.

Mais informações em http://oceanicabr.com/xbuoy

Oceânica e Marin realizam treinamento para equipe da Chevron

Entre os dias 8 e 12 de agosto a Oceânica realizou treinamento para a equipe de Mooring Masters da Chevron envolvida no projeto FPSO Frade. O treinamento, desenvolvido em conjunto pela Chevron, Marin e Oceânica, consistiu numa parte teórica, dedicada ao estudo de técnicas avançadas de manobra e controle de navios, e numa parte prática, dedicada à aplicação dessas técnicas à realidade operacional vivida pelos participantes do curso em sua rotina de trabalho.

A função principal de um Mooring Master é orientar a manobra de aproximação de um navio tanque aliviador até um navio-plataforma (FPSO) ou outro tipo de estrutura offshore, acompanhar o procedimento de conexão entre os dois e controlar a posição relativa do navio aliviador durante todo o tempo em que este permanecer conectado. Trata-se de um trabalho de grande responsabilidade, devido aos riscos à vida humana e aos grandes danos potenciais ao meio ambiente e ao patrimônio em caso de um acidente, o que ressalta a importância de elaborar e realizar treinamentos de alta qualidade para este tipo de profissional marítimo.

Todo o curso foi realizado no Centro Náutico NAUTILUS, localizado nas dependências da Oceânica em São Paulo. O mesmo curso já foi ministrado anteriormente pelo Marin e pela Chevron nos Estados Unidos e na Europa, mostrando que é possível realizar no Brasil treinamentos e projetos de simulação que antes necessitavam ser realizados no exterior.

Os exercícios da parte prática foram realizados no simulador de manobras principal, no qual foram reproduzidos o FPSO Frade, navios aliviadores Aframax, Suezmax e VLCC, e um rebocador oceânico tipo AHTS, além das condições ambientais anuais, decenais e centenárias que ocorrem na área do FPSO Frade. Os participantes do curso foram instruídos e avaliados na execução de operações sob condições ambientais normais e críticas e na resposta a diversas emergências, realizando simulações das manobras de aproximação do navio aliviador ao FPSO, conexão dos mangotes de transferência de carga e controle de posição do navio aliviador quando conectado ao FPSO.

A semana de treinamento foi muito bem-sucedida e marcou a primeira cooperação entre a Oceânica e a Chevron na área de operações náuticas.

FPSO Integration

We are glad to inform that during the last July, two massive Brazilian FPSO projects achieved an important milestone. The P-74 and P-76 hulls left the Inhauma yard and were towed to each integration site for the final phase of the projects.

Since the beginning of the Cessão Onerosa (P-74, P-75, P-76 e P-77) and Replicantes (P-66, P-67, P-68, P-69, P-70, P-71) FPSOs, OCEÂNICA has performed several engineering and field activities for these units, such as:

  • Stability analyses and booklets
  • Topside modules load-out engineering and coordination
  • Rigging plans and coordination
  • Weight control and modules weighing
  • Vessel ballasting plans and coordination
  • Motion analyses
  • Tow masters and marine personnel
  • Structural analyses for topsides, hull and auxiliary systems;
  • Towing plans, procedures and simulation for all maneuvers from hull conversion yard to integration sites*
  • Mooring plans, procedures and supervision, among others.

Congratulations to all teams involved on these projects!

*see more at http://oceanicabr.com/pt/2016/05/simulacao-de-reboque-do-casco-da-p-76/