CONCEPCA DE PLATAFORMA FPS PARA CAMPOS MARGINAIS


Ao longo da história da indústria petrolífera mundial, a busca de novas tecnologias para possibilitar o suprimento das necessidades mundiais foi constante. Tal fato pode ser observado, por exemplo, nos processos de exploração, inicialmente terrestres, que evoluíram a ponto de chegar à exploração de petróleo em águas ultraprofundas (> 3000 m).

Atualmente, com uma demanda nacional da ordem de 1.800.000 bpd, as empresas exploradoras brasileiras deparam-se com este e outros desafios. Porém, existem alguns
agravantes, como a escassez de reservatórios volumosos em pequenas profundidades.

Assim, atendendo à necessidade imediata da indústria petrolífera nacional, foi idealizado um projeto de uma plataforma oceânica para ser utilizada em campos marginais. Para que essa exploração seja economicamente viável, o sistema oceânico utilizado deve ser simples construtivamente e barato operacionalmente, fato que não ocorre com as consagradas semi-submersíveis.

Acompanhando a tendência mundial de desenvolvimento de sistemas flutuantes, foi adotada para análise uma nova concepção de casco, que consiste em um sistema FPS (Floating Production System), semelhante às semi-submersíveis em sua funcionalidade, porém muito mais simples e barata no caráter construtivo.